Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

uma longa história

22
Dez19

posso pedir-te um favor?

Não sejas um(a) filho(a) da puta. Tão simples quanto isso. Quer dizer, simples como quem diz... Sei que muitos não possuem capacidade para não o ser e outros tantos não sabem ser mais nada que não isso, mas tu entendeste-me. E quando digo tu, tu sabes bem quem és. És tu que não olhas para o lado, ou que olhas mas finges que não vês, que permites que um montão de situações terríveis aconteçam, que só te importas contigo e com o teu bem-estar.

Hoje mais um cachorro foi encontrado por aqui. Magro, sozinho, perdido, assustado. Ainda o tentámos procurar, mas ele já podia estar, literalmente, em qualquer lado. Sem sucesso. Chegar a casa com a sensação de derrota e impotência é fodido, sabes... Os cães não nos merecem. E o culpado? Tu. Tu que estás aí em casa de nariz empinado a achar que és melhor, mais importante, intocável. Tu que achas giro enxotar um cachorro, que achas giro fazer maldades, que achas normal abandonar um ser vivo à sua sorte, jogá-lo fora como se fosse uma meia rota que nem para limpar o pó serve.

Estamos no Natal, e foda-se, que nojo tenho eu de ter de dizer que estamos no Natal para te pedir boas ações. Mas és um(a) filho(a) da puta, então só mesmo assim. Estamos no Natal, sabes, aquela época em que, quando eras pequenino(a), esperavas que um velhote gorducho descesse pela chaminé. Aquela época em que tudo era colorido, cheiroso e reconfortante. Aquela época em que acreditavas na magia. Adivinha? A magia é real... Porém ela não é praticada por duendes, renas ou fadas... Não. Ela é praticada por pessoas reais, reais que nem tu. E a magia tem outro nome... So-li-da-ri-e-da-de. É uma palavra complicada, eu sei, também acho mais fácil chamar-lhe magia, mas de facto é quase a mesma coisa.

Sabes o que custa não ter água quente para lavar o corpo num dia de inverno? Não ter uma cama confortável e acolhedora para passar uma noite fria? Não ter comida para por no prato e, muitas vezes, nem prato ter para comer? Sabes o que custa não ter um casaco suficientemente quente para te resguardares do vento? Ou suficientemente forte para não te molhar da chuva? Sabes o que é ter uma dor de dentes, de cabeça, do período, de costas ou da barriga e não teres um paracetamol que seja para tomar? Consegues também fazer o sacrifício de tentar imaginar tudo isto sem poder pedir ajuda? Sentir dor, frio, fome, medo e não conseguir fazer nada contra isso?

É Natal, e aposto que na tua rua ou numa rua próxima há um ser vivo, seja ele qual for, a passar dificuldades. Há um ser vivo que precisa de ti, que precisa da tua ajuda. Sai à rua, olha à tua volta e vais encontrá-lo. E posso pedir-te somente uma prenda neste Natal? Quando o encontrares, não sejas um(a) filho(a) da puta.

27
Ago19

as pessoas não sabem andar na rua

Eu sou muito na minha. Tento andar rápido, principalmente se sei que estou num passeio "magrinho" ou com muitas pessoas. Tento andar sempre no mesmo caminho, num cantinho e às vezes até mesmo na beira do passeio para não ter alguém a esbarrar contra mim. Mas isso é impossível!

As pessoas queixam-se frequentemente dos pombos. "Ah porque não saem do caminho", "ah porque voam quase contra nós". E o que é que elas fazem? Não saem do caminho e andam contra mim!

Velhotas, é vê-las andar com dificuldade no meio do passeio. Se lhes passa pela cabeça desviarem-se para um dos lados? Não! Claro que não! Tás com pressa passa por cima. Pessoal com carrinho de bebé, igual. Não deixam passar, que no passeio também há prioridade. Tás com pressa passa pela estrada. Pessoinhas que acham que correr é nos passeios, a mesma história. E depois há os apressados, os que não acreditam muito nas leis da física e por isso tentam provar que sim, é possível dois corpos ocuparem o mesmo lugar ao mesmo tempo!

07
Ago19

não me façam uma coisa destas

Não gosto de comprar roupa sem a experimentar, por isso vou sempre aos provadores nem que seja para confirmar que a t-shirt serve mesmo. Mas odeio. Ó como odeio aqueles cubiculos cheios de luzes e espelhos estranhos. Pior ainda se forem daqueles que têm quase meio metro entre a cortina e o chão, permitindo assim que se veja as nossas pernocas (muitas vezes não depiladas. Triste flagelo).

Agora, o que eu detesto mesmo no que toca a provadores, são as pessoas que veem a cortina completamente fechada e ainda assim decidem abri-la, porque não lhes passa pela cabeça que pode estar alguém semi-nu lá dentro. (Vou contar-vos um segredo: normalmente está.)

o estaminé

criado em agosto de 2019. no início chamava-se "ser de verdade", porém a pseudo autora decidiu que "uma longa história" assentava melhor, já que a sua vida era, de facto, uma longa história. aqui encontras pensamentos, desabafos, traumas, experiências, opiniões e um quê - mas só mesmo um quê - de idiotice

quem escreve

mariana ⋅ 23 anos ⋅ rainha do mau feitio ⋅ ex-nómada pelo mundo da blogosfera ⋅ apaixonada por escrita mas com sérios problemas em se expressar

mais sobre mim

baú

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D